Lucas do Rio Verde

Menino de 8 anos encontra os pais mortos: feminicídio seguido de suicídio

Publicados

em

Internet

Uma tragédia foi registrada em Lucas do Rio Verde (a 332 km de Cuiabá) na madrugada deste domingo (4) por volta das meia noite e meia. Um casal em conflito, em vias de se separar, começou a discutir e o filho de 8 anos anos ouviu gritos e barulhos, assim como vizinhos. Depois, fez-se o silêncio e somente na manhã de hoje, quando o menino acordou e saiu para fora de casa, é que a Polícia Civil foi acionada e constatou que Divino Borges, de 50 anos, matou a esposa, Marli Silva Ferreira, 32, durante a briga, a marteladas, e depois se matou, se auto-cortando com uma faca.

Testemunhas narraram que ouviram a briga, mas não acreditaram que chegaria a esse ponto. O menino também teria escutado os pais brigando, mas teria ido dormir, conforme contou. De acordo com o investigador, o garoto está um pouco confuso e, por ser criança, cada hora conta uma versão um pouco diferente. Porém, conforme a polícia apurou no local do crime e os peritos, que também analisaram a cena da violência, não restam dúvidas de que este é um caso de feminicídio seguido de suicídio. “Como não tinha arma, no desespero, acabou pegando uma faca e se cortando nos braços, no tórax”, detalha o investigador.

Leia Também:  PF apreende 'dossiê Lava Jato' e menção a pasta anti-crime em gabinete de Witzel

Vizinhos estão chocados com a tragédia. O homem trabalhava em uma empresa agrícola e a esposa era diarista. Era uma casal de trabalhadores, que, em conflito, acabou protagonizando a ocorrência violenta. O menino, que ficou órfão, está sob os cuidados de uma tia.

Inquérito do caso foi instaurado, mas deve ser arquivo, após testemunhas serem formalmente ouvidas, uma vez que as investigações iniciais já elucidaram tudo o que aconteceu naquela casa que fica na rua Diamantino, do bairro Jardim Imperial.

Fonte: Unicanews

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

MP requisita perícia em leitos clínicos e de UTI no Hospital Santa Rita

Publicados

em

Imagem: MP-MT

A 1ª Promotoria de Justiça Cível de Alta Floresta (a 803km de Cuiabá) requisitou à Secretaria Municipal de Saúde e ao Escritório Regional de Saúde a realização de perícia no Hospital e Maternidade Santa Rita, envolvendo todos os leitos clínicos e de unidade de terapia intensiva (UTI) para tratamento da Covid-19, conveniados ou não ao Sistema Único de Saúde (SUS). Conforme o promotor de Justiça Luciano Martins da Silva, a finalidade é investigar eventual falta de equipamentos, falta ou racionamento de medicamentos ou insumos, inclusive oxigênio, bem como irregularidade na composição das equipes técnicas.

A vistoria está agendada para esta quinta-feira (15). O membro do Ministério Público reforçou a necessidade de que ela contemple também os leitos particulares, uma vez que, por ocasião da última vistoria realizada na unidade, um dos médicos da UTI Covid relatou que aparelhos dos leitos particulares foram temporariamente deslocados para os leitos conveniados ao SUS, a fim de ocultar a falta de equipamentos na ala pública. O prazo é de 10 dias para encaminhamento de relatório ao MPMT.

Leia Também:  Parceria garante 1,9 milhão para construção do Mercado do Produtor

A Promotoria instaurou notícia de fato após a visita técnica conjunta realizada em março deste ano no hospital. Na época, o foco foi verificar equipe, medicamentos, insumos e equipamentos disponíveis na terceira UTI Adulto Covid-19, com cinco leitos para atendimento ao SUS. Isso porque o hospital já possui outras duas alas para tratamento exclusivo de pacientes infectados pelo Novo Coronavírus, cada uma com 10 leitos. A terceira está sendo preparada para também dispor de 10 leitos. Contudo, atualmente possui cinco leitos equipados, totalizando 25.

“No final da vistoria, constatou-se que o Hospital e Maternidade Santa Rita não possuía a quantidade suficiente de respiradores para os 25 leitos existentes, entretanto, foi informada a aquisição de 7 novos respiradores, que chegariam até 17/03/2021, o que supriria a necessidade. Além disso, não foi possível verificar a quantidade exata de profissionais da assistência, bem como, constatou-se a necessidade de organização e padronização de kits e carrinhos para emergência. Por fim, verificou-se a falta de insumos”, observou o promotor de Justiça sobre a inspeção realizada em março.

Leia Também:  MAIS UMA DENÚNCIA: MPF denuncia Cabral, Bezerra e Maciste Granha por corrupção e organização criminosa

Fonte: MP-MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA