ECONOMIA

Uso de cheques no Brasil cai 93% desde 1995

Publicados

em


O avanço da tecnologia reduziu significativamente a utilização do que um dia foi o meio de pagamento mais tradicional dos brasileiros. Desde 1995, a compensação de cheques caiu 93,4% no país, segundo levantamento divulgado hoje (14) pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

A tendência de queda é contínua e não parou nos últimos 26 anos. Em 2021, o volume de compensações caiu 23,7%.

Apesar da queda, a modalidade está longe da extinção. No ano passado, foram compensadas 218,9 milhões de folhas de cheque em todo o país. O volume somou 287,1 milhões em 2020 e chegava a 3,3 bilhões de folhas compensadas em 1995.

Volume financeiro

O volume financeiro das transações com cheques também despencou. Em 1995, o montante movimentado nessa modalidade totalizava R$ 2 trilhões. A quantia caiu para R$ 668,4 bilhões em 2020 e R$ 667 bilhões em 2021.

Um dos principais problemas na utilização de cheques também despencou. O número de devoluções de cheques sem fundos caiu de 56,8 milhões em 1997 (quando a Febraban começou a pesquisar essa série histórica) para 15,2 milhões em 2020 e 13,6 milhões no ano passado.

Leia Também:  Publicado edital para concessão de sete terminais pesqueiros públicos

Tecnologia

Segundo a Febraban, os meios eletrônicos de pagamento conquistaram a preferência dos brasileiros. Os canais digitais (internet e mobile banking) atualmente concentram 67% das transações feitas no país.

Desde o lançamento do Pix, em novembro de 2020, a tendência se intensificou. O sistema de transferência eletrônica instantânea que funciona 24 horas por dia registrou 7 bilhões de transações e movimentou R$ 4 trilhões em pouco mais de um ano de existência. Segundo a Febraban, a ferramenta tem a adesão de 71% dos brasileiros e é bem avaliada, com a aprovação crescendo de 76%, na época do lançamento, para 85% atualmente.

Edição: Fernando Fraga

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Curso capacita mulheres trans em empreendedorismo na cidade do Rio

Publicados

em


No mês da visibilidade trans, comemorado em janeiro, um projeto da Prefeitura do Rio de Janeiro e do Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBTI+ formou ontem (24) mulheres transexuais e travestis que receberam capacitação em empreendedorismo durante três meses para impulsionar seus próprios projetos. A conclusão do curso ocorreu em Oswaldo Cruz, na zona norte do Rio de Janeiro, e foi marcada pela realização da primeira Feira de Mulheres Trans de Negócios.

Curso capacita mulheres trans em empreendedorismo no Rio. Curso capacita mulheres trans em empreendedorismo no Rio.

Curso capacita mulheres trans em empreendedorismo no Rio. – Divulgção/ SebraeRJ

As 29 alunas formadas pelo curso receberam certificados do Sebrae Rio e apresentaram na feira os projetos de produtos e serviços em que receberam orientação, com oficinas que abordaram temas como educação financeira, identidade visual e o uso das redes sociais.

Coordenador de cultura do Grupo Arco-Íris, Almir França contribuiu com o projeto com a experiência da Escola de Divines, que já trabalhava a capacitação da população trans. França conta que entre os projetos desenvolvidos pelas empreendedoras estão iniciativas em diferentes áreas, como gastronomia, limpeza, moda e beleza.

“A feira é um formato que permite que elas tenham ideia de não apenas como produzir, mas também como vender o produto”, acredita ele. “Além de saber fazer, elas aprenderam como é empreender, como é colocar isso no mercado”. 

Em meio a um cenário de crise econômica e desemprego agravado pela pandemia de covid-19, França vê a possibilidade de empreender como uma forma de potencializar o trabalho informal com o qual essas mulheres buscavam seu sustento. “É fortalecer aquilo que ela vem fazendo e tem deixado ela viva. E legalizar isso e mostrar que isso é real e faz parte de uma cadeia produtiva que é importante”. 

Além do Grupo Arco-Íris, o projeto foi realizado pela Secretaria de Políticas e Promoção da Mulher do Rio de Janeiro, com apoio institucional da Coordenadoria Executiva da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio. A secretária da Mulher, Joyce Trindade, destaca que montar seu próprio negócio é uma alternativa em um cenário em que mulheres trans muitas vezes não conseguem espaço e vagas em postos de trabalho por preconceito. “É nosso dever oferecer alternativas para que este público possa trabalhar e empreender”, afirmou durante a formatura.

Entre as empreendedoras que receberam o certificado ontem está Michelle Rosa, de 43 anos, que decidiu investir em uma pet shop em Campo Grande, na zona oeste do Rio, depois de mais de 20 anos de experiência de trabalho com banho e tosa de animais domésticos. Ela conta que abriu as portas em 2019, mas viu um período de muita dificuldade com a pandemia de covid-19 que começou no ano seguinte.

“O curso abriu minha mente para conseguir controlar o fluxo de caixa e o marketing digital. Não que eu não soubesse, mas deu uma aprimorada”, comemora ela.

Michelle decidiu arriscar um empreendimento próprio para ter a liberdade de buscar um atendimento de excelência aos clientes. Em sua carreira, ela conta que já enfrentou situações de assédio no ambiente de trabalho, inclusive por parte dos clientes. 

“Já teve homens que entraram fingindo que são clientes, já tentaram me agarrar sozinha na loja. Ligam e se passam por outra pessoa”, relata ela, que muitas vezes sofreu com a falta de provas para denunciar essas situações. “Eu não perco a pose e mantenho meu caráter, porque o que eu estou vendendo é meu serviço e a minha qualificação profissional”.

Com o auxílio do curso, ela espera controlar melhor o fluxo de caixa da pet shop e investir em uma carteira de motorista para atender clientes em domicílio. “Também quero fazer uma ONG [organização não governamental] em que eu possa cuidar dos animais de rua. O que eu quero é expandir para ajudar os animais”. 

Edição: Bruna Saniele

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Beneficiários do Auxílio Brasil terão acesso a crédito especial
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA