Saúde

Covid-19 pode afetar coração de pacientes recuperados; cardiologista explica

Publicados

em

Internet

Pesquisas indicam a possibilidade de complicações crônicas em pacientes recuperados da Covid-19 e, segundo a cardiologista e intensivista Ludhmila Hajjar, o coração também pode ser afetado pela doença provocada pelo novo coronavírus.

“Já existem alguns estudos iniciais que mostram que mesmo 60 dias após o término dos sinais de sintomas, ou seja, o paciente já está em casa sem febre, não tem falta de ar nem tosse, mas quando avaliados mais detalhadamente na parte cardíaca percebe-se que quase 80% ainda tem algum grau de inflamação no coração”, diz a especialista à CNN.

Para Ludhmila, pessoas recuperadas da Covid-19 devem seguir com o acompanhamento médico para observar possíveis sequelas futuras. “Estamos compreendendo a doença como grave, mas que tem complicações crônicas, como as cardiovasculares que ainda estamos aprendendo a lidar. Isso nos ensina que esse paciente tem que ser acompanhado de perto quanto a essas complicações”, avalia.

Quem já tem problema crônico no coração deve continuar com o tratamento regularmente durante a pandemia, alerta a médica.

Leia Também:  Minas Gerais aprova regras mais rígidas para barragens

“Se tem problema de coração, é importante fazer seu segmento de maneira adequada durante a pandemia. A medicação tem que ser tomada regularmente. Em casa, devemos ter uma alimentação regrada e equilibrada, evitar os excessos porque sedentarismo aumentou muito durante a pandemia, já que as pessoas não saem de casa”, disse Ludhmila  ressaltando que a recomendação para uma dieta saudável vale para todas as pessoas, não só os cardiopatas.

Fonte: cnnbrasil.com.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Bombeiros combatem fogo na Serra dos Órgãos pelo terceiro dia seguido

Publicados

em


.

O Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro trabalha, pelo terceiro dia consecutivo, no combate a um incêndio florestal de grandes proporções que atinge o Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso), que tem 20.024 hectares protegidos nos municípios de Teresópolis, Petrópolis, Magé e Guapimirim, na região serrana do estado.

Hoje (6), mais dez profissionais de juntaram aos 70, incluindo bombeiros militares, guarda-parques, brigadistas e agentes de órgãos externos que já atuavam ontem na operação de combate ao fogo. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o trabalho é feito em duas frentes para extinguir as chamas na área de proteção ambiental. A operação contra com o apoio de 16 viaturas e um helicóptero que tem sido usado para jogar água nos locais atingidos.

Segundo os bombeiros, as causas do incêndio continuam desconhecidas, mas ontem havia suspeita de que o fogo pode ter começado com a queda de um balão. Participam da ação no Parnaso integrantes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), da Defesa Civil e da Guarda Civil de Petrópolis.

Leia Também:  Acordo prevê no máximo 20 dias para análise de auxílio emergencial

Ontem a estimativa era de que cerca de 100 hectares tinham sido atingidos pelo incêndio. Hoje a área pode ter chegado a 200 hectares.

Parnaso

O Parque Nacional da Serra dos Órgãos é uma unidade de conservação federal de proteção integral, subordinada ao ICMBio, com a intenção de preservar amostras representativas dos ecossistemas nacionais.

Criado em 30 de novembro de 1939, o Parnaso é o terceiro parque mais antigo do país. É um local que costuma ser procurado para a prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada, e rapel e para visitas às cachoeiras. Conforme o ICMBio, o parque tem a maior rede de trilhas do Brasil, com mais de 200 quilômetros em todos os níveis de dificuldade: desde a trilha suspensa, acessível até a cadeirantes, à pesada Travessia Petrópolis-Teresópolis, com 30 quilômetros de subidas e descidas pela parte alta das montanhas.

De acordo com o ICMBio, o parque abriga mais de 2.800 espécies de plantas catalogadas pela ciência, 462 espécies de aves, 105 de mamíferos, 103 de anfíbios e 83 de répteis, incluindo 130 animais ameaçados de extinção e muitas espécies endêmicas que só ocorrem no local.

Leia Também:  Deputado denuncia empresa de marido de Joice Hasselmann

O ICMBio informou que o incêndio foi detectado na manhã da terça-feira (4) na parte alta do parque na trilha da travessia Petrópolis X Teresópolis na área do Chapadão, próximo da Pedra do Morro do Açu.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA