GERAL

Vale realiza adoção virtual de animais resgatados em Brumadinho

Publicados

em


.

Animais resgatados em Brumadinho podem ser adotados de forma online durante o período de isolamento social provocado pela pandemia da covid-19. Em um mês de campanha online realizada pela mineradora Vale, 35 cães e 11 gatos foram adotados pelo site Me leva pra casa, que recebeu mais de 24 mil acessos simultâneos.

O site tem fotos e informações sobre porte, sexo, saúde e comportamento dos bichinhos. Cerca de 150 animais ainda estão disponíveis para adoção virtual. A equipe de veterinários também realiza videochamadas para que os interessados conheçam melhor os animais, resgatados após o rompimento da barragem da Vale, em janeiro de 2019.

Até o momento, a mineradora já realizou três feiras presenciais de adoção de cães e gatos. Nesses eventos, 198 animais foram adotados e 17 animais resgatados foram devolvidos aos seus antigos donos.

De acordo com a Vale, a maioria dos animais foram resgatados nas áreas atingidas, em residências nas comunidades, deixados voluntariamente por seus tutores ou, em muitos casos, abandonados na entrada da Fazenda ou do Hospital Veterinário. Logo após o rompimento da Barragem 1, em Brumadinho, a Vale alugou uma fazenda para receber os animais resgatados e criou uma estrutura para acolher e tratar animais de pequeno e grande porte resgatados na região.

Leia Também:  Projeto Livro nas Praças adota delivery para estimular a leitura

Adoção virtual

Os interessados em adotar, devem preencher um formulário e aguardar o retorno da equipe técnica da Fazenda, que pode ser feito em até sete dias. Em caso de confirmação da adoção, o animal pode ser entregue na região metropolitana de Belo Horizonte. Caso o interessado seja fora dessa região, é possível marcar horário para buscar o bichinho.

A Vale é responsável por vacinar, vermifugar, castrar e acompanhar a adaptação em novos lares ao longo dos seis primeiros meses.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Bombeiros combatem fogo na Serra dos Órgãos pelo terceiro dia seguido

Publicados

em


.

O Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro trabalha, pelo terceiro dia consecutivo, no combate a um incêndio florestal de grandes proporções que atinge o Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso), que tem 20.024 hectares protegidos nos municípios de Teresópolis, Petrópolis, Magé e Guapimirim, na região serrana do estado.

Hoje (6), mais dez profissionais de juntaram aos 70, incluindo bombeiros militares, guarda-parques, brigadistas e agentes de órgãos externos que já atuavam ontem na operação de combate ao fogo. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o trabalho é feito em duas frentes para extinguir as chamas na área de proteção ambiental. A operação contra com o apoio de 16 viaturas e um helicóptero que tem sido usado para jogar água nos locais atingidos.

Segundo os bombeiros, as causas do incêndio continuam desconhecidas, mas ontem havia suspeita de que o fogo pode ter começado com a queda de um balão. Participam da ação no Parnaso integrantes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), da Defesa Civil e da Guarda Civil de Petrópolis.

Leia Também:  Especialistas questionam termo 'segunda onda' sobre casos de Covid-19 no Brasil

Ontem a estimativa era de que cerca de 100 hectares tinham sido atingidos pelo incêndio. Hoje a área pode ter chegado a 200 hectares.

Parnaso

O Parque Nacional da Serra dos Órgãos é uma unidade de conservação federal de proteção integral, subordinada ao ICMBio, com a intenção de preservar amostras representativas dos ecossistemas nacionais.

Criado em 30 de novembro de 1939, o Parnaso é o terceiro parque mais antigo do país. É um local que costuma ser procurado para a prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada, e rapel e para visitas às cachoeiras. Conforme o ICMBio, o parque tem a maior rede de trilhas do Brasil, com mais de 200 quilômetros em todos os níveis de dificuldade: desde a trilha suspensa, acessível até a cadeirantes, à pesada Travessia Petrópolis-Teresópolis, com 30 quilômetros de subidas e descidas pela parte alta das montanhas.

De acordo com o ICMBio, o parque abriga mais de 2.800 espécies de plantas catalogadas pela ciência, 462 espécies de aves, 105 de mamíferos, 103 de anfíbios e 83 de répteis, incluindo 130 animais ameaçados de extinção e muitas espécies endêmicas que só ocorrem no local.

Leia Também:  Mulheres na menopausa tem maior risco de desenvolver covid-19 grave

O ICMBio informou que o incêndio foi detectado na manhã da terça-feira (4) na parte alta do parque na trilha da travessia Petrópolis X Teresópolis na área do Chapadão, próximo da Pedra do Morro do Açu.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA