JUSTIÇA

MPMG cobra multa por demora na entrega de casas a atingidos de Mariana

Publicados

em


O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) deu entrada em um pedido para aplicação da multa, fixada pela Justiça, que deveria ser paga pelas mineradoras Vale, Samarco e BHP Billiton em caso de descumprimento do prazo de entrega das novas casas aos afetados pelo rompimento de uma barragem que atingiu os distritos de Bento Rodrigues e Paracatu, em Mariana, em 2015. Passados mais de cinco anos do episódio, apenas sete das 306 moradias previstas estão concluídas.

Em decisão tomada em janeiro do ano passado, a juíza Marcela Oliveira Decat de Moura considerou alguns fatores que causaram mudanças no projeto e concedeu às mineradoras mais tempo para entrega dos dois reassentamentos coletivos, aumentando em seis meses o prazo estipulado anteriormente. A juíza estipulou multa de R$ 1 milhão por dia de atraso. A data limite, fixada pela magistrada em 27 de fevereiro deste ano, encerrou-se no último sábado.

O pedido de aplicação da multa foi apresentado nesta terça-feira (2) pelo MPMG à Justiça. As três mineradoras informaram que ainda não foram notificadas. “A empresa ressalta que mantém o compromisso com a reparação”, diz, em nota, a Samarco, joint-venture da Vale e da BHP Billiton e responsável pela barragem que se rompeu, causando a tragédia.

No episódio, 39 milhões de metros cúbicos de rejeito escoaram ao longo da bacia do Rio Doce, causando 19 mortes e impactando dezenas de municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. Na zona rural da cidade da Mariana, epicentro da tragédia, os distritos de Bento Rodrigues e Paracatu foram destruídos pela força da lama.

Para reparar os danos do episódio, um termo de transação e ajustamento de conduta (TTAC) foi firmado em março de 2016 pelo governo federal, pelos governos de Minas Gerais e do Espírito Santo e pelas três mineradoras. O acordo teve como desdobramento a criação da Fundação Renova, responsável pela gestão dos 42 programas pactuados, incluindo o programa de reassentamento coletivo.

A Fundação Renova diz que a questão do prazo de entrega das casas ainda está em discussão e informa ter apresentado um recurso à segunda instância, o qual ainda será julgado. “Foram expostos os protocolos sanitários aplicáveis em razão da pandemia de covid-19, que obrigaram a Fundação a desmobilizar parte do efetivo e a trabalhar com equipes reduzidas, o que provocou a necessidade de reprogramação das atividades.”

Leia Também:  CNMP nega afastamento de promotor do caso Isabele

A entidade alega ainda que a construção de reassentamentos coletivos demanda um longo processo que envolve planejamento, aprovação de projetos de lei por parte do poder público, emissão de alvarás, submissão de projetos urbanísticos, definição das relações de vizinhança, adequação à legislação municipal e aprovação de cada passo pelos atingidos.

Situação atual

Em Bento Rodrigues, estão previstas 209 moradias e apenas sete estão concluídas, além das estruturas dos edifícios da escola, dos postos de saúde e de outros serviços públicos. A Fundação Renova afirma que finalizará até o final deste ano 64 casas. “Estão concluídos 95% das obras de infraestrutura, considerando via, drenagem, energia elétrica, redes de água e esgoto das ruas. A Escola Municipal, o Posto de Saúde e de Serviços e a Estação de Tratamento de Esgoto foram concluídos. Mais de 140 projetos foram protocolados na prefeitura. Ao todo, foram concluídos 182 projetos conceituais com as famílias; 19 estão em andamento”, acrescenta a entidade.

Já em Paracatu, nenhuma das 97 moradias está concluída. “Sete casas tiveram obras iniciadas, com etapa de montagem de fundação concluída. Mais de 60 projetos conceituais de residências foram concluídos. A infraestrutura está em fase avançada, com execução de terraplenagem das vias de acesso e das áreas dos lotes, contenções, obras de bueiros de drenagem pluvial, adutora de água tratada e rede de esgoto”, informa a fundação.

Os sucessivos atrasos causam descontentamento entre as famílias atingidas. O cronograma original das obras dos dois distritos previa as entregas para 2018 e 2019. As estimativas mudaram algumas vezes até que a Fundação Renova parou de divulgar datas, e o MPMG decidiu judicializar a questão.

Os atrasos na entrega dos imóveis foram um dos argumentos usados pelo MPMG para pedir, na semana passada, a extinção da Fundação Renova. Em ação ajuizada no TJMG, as três mineradoras foram apontadas como quem de fato toma as decisões da reparação. No fim de janeiro, a criação de um entidade similar à Fundação Renova para atuar na tragédia de Brumadinho, também em Minas Gerais, foi rejeitada em acordo firmado com a participação do governo mineiro, do MPMG e da Vale, responsável pelo episódio envolvendo o rompimento de uma barragem em janeiro de 2019, no qual 270 pessoas morreram. Foi adotado outro modelo de governança para a reparação dos danos desse caso.

Leia Também:  Telespectadora processa a Globo por causar pânico durante a pandemia

Gesteira

Além de Bento Rodrigues e Paracatu, outra comunidade integra o programa de reassentamento coletivo, Gesteira, um distrito de Barra Longa, cidade vizinha a Mariana. A Fundação Renova informa que elaborou um projeto conceitual a partir de um anteprojeto formulado pela comunidade. Os atingidos contaram com o apoio da Associação Estadual de Defesa Ambiental, entidade que escolheram para assessorá-los, e do Grupo de Estudos e Pesquisas Socioambientais da Universidade Federal de Ouro Preto.

As obras ainda não começaram. “A Fundação Renova aguarda a decisão do juízo em relação ao projeto conceitual e à proposta de abastecimento de água apresentada, conforme as alternativas discutidas e definidas pela comunidade em assembleia virtual realizada em junho de 2020”, diz a entidade.

Além do programa de reassentamento coletivo, desenvolve-se paralelamente um programa de reassentamento familiar, voltado para os atingidos que viviam em sítios ou fazendas que foram destruídos ou mesmo para aqueles que moravam em Bento Rodrigues, em Paracatu e em Gesteira, mas não têm interesse em viver nos novos distritos. Para essas pessoas, é prevista a aquisição de outra propriedade.

Em alguns casos, os atingidos não têm interesse em outros terrenos e demandam apenas a reconstrução de suas casas e a recuperação de suas atividades produtivas. De acordo com a Fundação Renova, está previsto para este ano o investimento de R$ 1 bilhão para todas as modalidades de reassentamento, valor que representaria aumento de 14% em relação a 2020.

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

JUSTIÇA

Vereador Jairinho é investigado por agressão e tortura a três crianças

Publicados

em

Prisão do vereador Dr. Jairinho no Caso Henry Borel Foto: FotoArena/Estadão Conteúdo

Depoimentos de ex-namoradas e testemunhas levantam indícios de violência e ameaças contra filhos de companheiras

Suspeito da morte do enteado Henry Borel, o vereador do Rio de Janeiro, Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho (sem partido), é investigado por agressão e tortura a outras duas crianças, filhas de ex-namoradas.

Os fatos são apurados pela Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV) e 16ª Delegacia da Barra da Tijuca a partir de depoimentos prestados à Polícia Civil, cujos conteúdos a CNN teve acesso na íntegra.

O mais recente deles, nessa sexta-feira (16), foi de uma ex-namorada, com quem Jairinho teve um relacionamento por seis anos. À Polícia Civil, a mulher contou que, na última terça-feira (13), soube pelo filho – hoje com oito anos – que ele teria sido agredido por Jairinho quando tinha 3 anos incompletos.

Segundo o relato do menino, “Jairinho colocou um papel e um pano na boca dele” e “disse que ele não poderia engolir”. Em seguida, o vereador teria deitado a criança no sofá da sala, momento em que “ficou em pé no sofá e apoiou todo o peso do corpo no menino com pé”.

A criança contou à mãe que, em determinado momento, conseguiu fugir e tentou acordá-la, mas ela não se mexia. A mulher relatou indícios de que pode ter sido dopada.

O episódio de violência ainda teria continuado. Jairinho teria alcançado o menino e levado até o estacionamento. Dentro de um carro, “colocou um saco plástico” na cabeça da criança e teria ficado dando voltas de carro.

Em depoimento nessa sexta-feira (16), a ex-namorada também relatou o que pode ter sido um segundo episódio de violência contra a criança. Em 2015, Jairinho saiu com o filho dela para levá-lo a uma casa de festas. Pouco tempo depois, o vereador teria ligado dizendo que o menino machucou o joelho.

No médico, o diagnóstico foi de fêmur quebrado. À polícia, a mãe disse que estranhou o fato do filho “não ter chorado em nenhum momento”, mesmo “amuadinho”.

Leia Também:  Eleitor tem menos de um mês para regularizar título

No primeiro depoimento, em 22 de março, a ex-namorada havia negado agressões físicas de Jairinho e relatado apenas brigas entre o casal. Já nesse dia 16 de abril, ela mudou a versão e disse que omitiu os fatos por medo de Jairinho. O vereador também a teria agredido várias vezes desde o segundo ano de relacionamento entre os dois.

Afogamento em investigação

A primeira denúncia de agressão contra criança após a morte de Henry Borel surgiu de outra ex-namorada de Jairinho, uma dona de casa de 31 anos. Em um depoimento à Polícia Civil, a mulher contou que, certa vez, Jairinho levou a filha dela de três anos a um lugar “onde havia uma cama e uma piscina e que neste lugar afundava sua cabeça embaixo d’água”.

O relato da dona de casa também traz suspeita dela ter sido dopada, assim como a ex-namorada ouvida nessa sexta-feira (16). Em uma ocasião, a mulher contou que Jairinho deu um comprimido para que ela dormisse, mas decidiu não tomar e teria flagrado o vereador segurando a filha “pelos braços, enquanto estava em pé no sofá”.

A mãe ainda conta que a filha – hoje com 13 anos – sempre chorava ao ver Jairinho. De início, ela pensou se tratar de ciúmes. Mas depois “viu que a resistência dela se tornou mais séria, sendo que [a criança] chorava muito e chegada a vomitar de tanto nervoso.”

Henry Borel, de 4 anos, morreu em 8 de março
Henry Borel, de 4 anos, morreu em 8 de março; padrasto e mãe falam em acidente, mas polícia investiga agressão
Foto: Reprodução/Instagram

 

Inquérito sobre a morte de Henry deve ser finalizado em dez dias

O vereador Jairo Souza Santos Junior ainda é investigado pela morte de Henry Borel, no dia 8 de março. A perícia descartou uma morte acidental e apontou 23 lesões no corpo da criança, causadas por “ação violenta”.

Testemunhas ouvidas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro também apontam mudanças no comportamento de Henry com Jairinho. Horas antes da morte da criança, a mãe Monique Medeiros declarou, em depoimento, que o filho estava muito nervoso no momento em que o pai Leniel Borel o levou para a casa onde morava com o vereador.

Leia Também:  Sindicatos pedem investigação de racismo nas lojas McDonald’s

Segundo o relato, Henry chorava muito e chegou a vomitar. No entanto, Monique garantiu que o parlamentar e o filho tinham uma boa relação.

Já depoimentos colhidos na investigação levantam indícios de agressões. A babá que cuidava de Henry afirmou ter mentido no primeiro testemunho e relatou três supostos episódios de violência contra o menino de quatro anos por Jairinho. No segundo deles, o caso teria sido revelado à mãe pelo próprio filho em videochamada.

“Henry falou à declarante que Jairinho tinha dado uma ‘banda’ nele e chutado; que quanto ao “toda vez faz isso”, a declarante afirma que Henryque relatou isso para ela, ou seja, que Jairinho sempre fazia isso com ele; que Henry também relatou à declarante que Jairinho falou que ‘não podia contar’, que ‘ele perturba a mãe dele’, que ‘tinha que obedecer ele’, que ‘se não ia pegar ele’”, descreve o depoimento.

O relato é corroborado pelo depoimento da cabeleireira que estava junto a Monique quando ela recebeu a chamada de vídeo de Henry. De acordo com informações prestadas pela mulher à polícia, o fato teria causado uma briga entre Monique e Jairinho pelo telefone.

A testemunha lembra de Monique ter dito: “quebra, pode quebrar tudo mesmo, você já está acostumado a fazer isso”. Após a discussão, a mãe de Henry teria perguntado onde poderia comprar uma câmera no shopping em que fica o salão de beleza.

As denúncias de agressão e tortura a crianças são investigadas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. A CNN tenta localizar os novos advogados do vereador Jairo Santos Souza Junior para buscar um posicionamento sobre os depoimentos.

Fonte: cnnbrasil.com.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA