Eleições Municipais 2020

Dilemário diz que Emanuel está desesperado e joga sujo

Publicados

em

Internet

O vice-presidente do Podemos de Cuiabá e vereador reeleito Dilemário Alencar disse, nesta sexta-feira (20), que o candidato a prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) está desesperado com os apoios recebidos pelo candidato Abílio Júnior (Pode).

“A campanha de Emanuel virou uma baixaria e um festival de fake news. Estão espalhando vídeos apócrifos, editados de forma grosseira, plantando mentiras e tentando criar terror junto a servidores e outros segmentos. A Justiça Eleitoral precisa tomar providências, pois propagar fake news é crime”, cobrou Dilemário.

O parlamentar também denunciou a onda de áudios que estão circulando em grupos de whatsApp, com acusações contra Abílio.

“São áudios anônimos, sem identificação de quem está falando, com narrativas mentirosas que tem o objetivo de provocar o terror e medo junto à população. Estão usando de forma ilegal e criminosa as redes sociais nesta campanha. No entanto, o eleitor está atento e não vai cair nesse jogo sujo, típico do velho e conhecido comitê da maldade”, explanou.

Alencar ainda enfatizou que o candidato da sua sigla não vai ser atingido mentiras porque ele é ficha limpa.

Leia Também:  Vídeo mostraria Bolsonaro dizendo que troca na PF-RJ seria para proteger família

“O eleitor cuiabano já conhece a ficha corrida dos dois candidatos a prefeito. O Abílio não tem no seu currículo nenhuma cena de dinheiro de propina caindo do paletó. Ele é ficha limpa e vai continuar fazendo uma campanha apresentando suas propostas com o compromisso de combater a corrupção na prefeitura”.

Fonte: Gazeta Digital

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

NA CAPITAL

TRE reforma decisões e manda Emanuel retirar programa

Publicados

em

João Vieira

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE) reformou 3 decisões e determinou que o candidato Emanuel Pinheiro (MDB) retire do ar, imediatamente, inserções e programas eleitorais que relacionam o adversário, o vereador Abílio Júnior (Pode), a divulgação de fake news e conteúdos difamatórios.

Duas decisões são do juiz membro Bruno D’Oliveira Marques e uma do juiz Fábio Fiorenza. Em um dos mandados de segurança,o magistrado afirma que os vídeos divulgados por Emanuel contra Abílio foram editados de forma tendenciosa.

“Ainda que falte a expertise necessária a este Juízo, da simples reprodução do arquivo de vídeo em anexo é perceptível que as cenas foram editadas em uma ordem tendenciosa e com falas provavelmente descontextualizadas, no patente intuito de responsabilizar o primeiro impetrante por uma conduta ilícita que não restou cabalmente comprovada, prejudicando a imagem do candidato”, relatou o juiz.

Em outra decisão, o juiz membro reitera que não há justificativas para Emanuel Pinheiro disseminar notícias falsas. “Além disso, é reiterada a jurisprudência no sentido de que críticas, ainda que ácidas, severas, fazem parte da disputa eleitoral e não justificam a intervenção da Justiça Eleitoral a todo tempo, sob pena de indevida ingerência do Poder Judiciário no processo eleitoral. Entretanto, tal liberdade não pode servir de salvaguarda para a disseminação de inverdades e desinformação, a popularmente conhecida “Fake News”.

Leia Também:  Nota de Pesar| Antônio Tavares

De acordo com a defesa de Abílio e Wellaton, patrocinada pelos advogados Alexandre César Lucas, Amir Amiden, Gustavo Antonelli e Flávio Azevedo, as 3 vitórias da coligação demonstram a preocupação da Justiça Eleitoral em impedir que informações falsas confundam a população.

“Os apoiadores e o próprio candidato Emanuel Pinheiro insistem em atacar familiares e até a religião de Abílio. Essas decisões Tribunal Regional Eleitoral reforçam ainda mais que Abílio e Wellaton seguem com uma campanha limpa, enquanto Emanuel insiste em ataques e fake news”, considerou Alexandre.

As propagandas eleitorais e inserções deverão ser retiradas das rádios, televisões e redes sociais sob pena de multas diárias que variam de R$ 10 a R$ 100 mil.

Fonte: Gazeta Digital

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA