NACIONAL

“Clube do carimbo”: MP identifica grupo que transmitia HIV intencionalmente

Publicados

em


source
Grupo infectava pessoas de maneira intencional omitindo diagnóstico de HIV ou danificando preservativos antes das relações sexuais
Elza Fiuza Arquivo/Agência Brasil

Grupo infectava pessoas de maneira intencional omitindo diagnóstico de HIV ou danificando preservativos antes das relações sexuais

O Ministério Público de São Paulo cumpriu mandados de busca e apreensão, nesta quarta-feira (7), contra grupos que atuavam em São Paulo e no Rio de Janeiro para disseminar o vírus HIV de maneira intencional.

A investigação foi iniciada após uma suposta vítima denunciar a existência do grupo no WhatsApp. Com 126 membros, o grupo era denominado “Clube do carimbo” , segundo informações do G1.

Segundo os promotores, na maioria das vezes, os integrantes contaminavam pessoas tendo relações sexuais sem preservativo e omitindo que eram portadores do vírus. Em outras ocasiões, os preservativos eram danificados antes do ato.

O sigilo telemático foi autorizado pela Justiça e os promotores chegaram aos envolvidos. Há indícios de que membros do grupo atuem, também, em Minas Gerais e Pernambuco. Os celulares apreendidos na operação serão periciados para que a investigação prossiga.

Leia Também:  Após organizar festa durante isolamento, homem é preso em Minas Gerais

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

NACIONAL

Covid-19 no Brasil é como “Chernobyl ou Fukushima”, diz Miguel Nicolelis

Publicados

em


source
 Covid-19 no Brasil é como
Reprodução/Wikimedia Commons

Covid-19 no Brasil é como “Chernobil ou Fukushima”, diz Miguel Nicolelis

Miguel Nicolelis , neurocientista e professor da Universidade de Duke, comparou a situação da pandemia de  covid-19 no Brasil a históricos acidentes nucleares como os ocorridos em 1986 em Chernobyl , na Ucrânia; e em 2011 em Fukushima , no Japão. As declarações foram realizadas em entrevista à BBC .

“Quando alguém me pede para traçar uma metáfora , digo que, para mim, é como Chernobyl ou Fukushima. Um reator nuclear, mas biológico , que está fora de controle numa reação em cadeia”, avalia Nicolelis.

O cientista argumenta que seu comparativo baseia-se em três pontos: “a falta de liderança governamental, a ignorância [do governo] e a confiança em notícias falsas junto ao negacionismo científico”.

Miguel pondera que esta situação não é culpa dos brasileiros, já que o povo deseja sair desta situação e é fundamental que o mundo entenda este ponto. Em sua avaliação, a principal causa para esta catástrofe é a falta de uma estratégia governamental clara e direcionada para o combate à pandemia. “[O presidente] fez campanha contra qualquer medida de isolamento social, se opôs as máscaras e negou a gravidade desde o início”.

Leia Também:  BH: homem tenta interromper aglomeração, não é atendido e esfaqueia homem

Você viu?

Ao falar sobre a saúde no Brasil, o professor argumenta que, embora o país apresente um bom sistema público, “o governo nunca aproveitou para financiá-lo e fortalecê-lo significativamente nesta crise”, e por consequência “estamos no meio de um colapso de saúde nacional, algo que nunca havia acontecido na história “.

Nicolelis avalia que esta “é a razão pela qual temos tantos casos e tantas mutações ocorrendo simultaneamente no Brasil”. A Fiocruz , em levantamento recente, declarou que foram detectadas 92 variantes da covid-19 em solo brasileiro , incluindo a P1.

Ainda segundo o cientista, “o mundo sofrerá as consequências” já que há “centenas de milhares de casos todos os dias, depois haverá novas variantes que surgirão e se espalharão pela América do Sul, América Latina e ao mundo todo dentro de semanas”.


A condução brasileira no combate a pandemia de covid-19 já deixou mais de 370 mil mortes em pouco mais de um ano. Hoje, o país representa 25% dos novos casos de óbitos mundiais.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA