NACIONAL

Manifestantes ateiam fogo e depredam unidade do Carrefour em São Paulo

Publicados

em


source
carrefour
Divulgação

Manifestantes depredaram unidade do Carrefour

Revoltados com a  morte de João Alberto, homem negro que foi espancado por seguranças de uma unidade do Carrefour em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, manifestantes se reuniram no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, para a realização da 17º Marcha da Consciência Negra.

Reunido, o ato se dirigiu para o Carrefour da Rua Pamplona, no bairro dos Jardins, onde atiraram pedras contra a janela do supermercado, quebraram produtos e atearam fogo. Um veículo estacionado no local também foi danificado.

Acompanhando o protesto, a Polícia Militar não interviu, apenas fechou parte da rua para que os manifestantes deixassem o local. O mercado precisou fechar as portas ainda com clientes dentro da unidade.

Leia Também:  Sistema para pedir isenção de super rodízio em São Paulo apresenta instabilidade

Confira vídeos do protesto abaixo:


COMENTE ABAIXO:
Propaganda

NACIONAL

“Querem ser protagonistas em 2022”, diz Kalil sobre politização da vacina

Publicados

em


source
Kalil no Rodaviva
TV Cultura / Reprodução

Kalil no Rodaviva

No Roda Viva desta segunda-feira (30), o prefeito de BH, Alexandre Kalil (PSD), falou sobre o cabo de guerra protagonizado por políticos em torno das vacinas contra a Covid-19. Segundo ele, a briga que envolve a CoronaVac, vacina do Instituto Butantan feita em parceria com laboratório chinês, foi politizada por Doria e Bolsonaro.

“Quando um não quer, dois não brigam. Imagina se essa vacina dá certo, e chega para nós mais depressa. Acha que o governo federal vai ter peito de não comprar porque ela é chinesa? Isso é crime, é impeachment”, disse Kalil.

Segundo Kalil, o embate entre Doria e Bolsonaro em torno da vacinação é desejo de ser protagonista em 2020. 

“Eles querem ser protagonistas em 2022. Mas tem muita gente importante do lado de fora articulando […] Tem que entregar alguma coisa para a população para ser eleito”, complementou.

Leia Também:  Brasil ainda não enfrentou o pior da pandemia, afirma OMS

Sobre João Doria, Kalil diz ser completamente diferente, apesar de ambos terem sido eleitos como ‘outsiders’ da política. “Eu sou totalmente diferente. Nunca conversei com ele, nem com Covas”, disse o prefeito de BH, que evitou entrar em polêmicas sobre o tucano.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA