NACIONAL

Ministério tentou comprar Sputnik com intermédio de empresa brasileira

Publicados

em


source
A Sputnik V é vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Rússia
Foto: Divulgação/SputinikV

A Sputnik V é vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Rússia


O Ministério da Saúde teria tentado adquirir 200 milhões de doses da vacina russa Sputnik V com o mesmo modelo usado na tentativa de compra da Covaxin. Segundo documento, que está em posse da ‘CPI da Covid’ e divulgado pelo G1, as negociações ocorriam mesmo sem que os imunizantes tivessem a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Ainda segundo informações do G1, uma carta foi enviada em 18 de março por Elcio Franco para Fundo Soberano Russo, então secretário-executivo da Saúde e responsável pela Sputnik, tentando abrir negociação para uma compra inicial de 100 milhões de doses, deixando em aberta a possibilidade de adquirir mais 100 milhões posteriormente. 

Franco queria confirmar se a empresa União Química continuaria como a representante da vacina russa no Brasil. “Antes de lançarmos formalmente as negociações, contudo, agradeceria receber do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) confirmação sobre o status do relacionamento com a União Química Farmacêutica Nacional S/A, que por ora segue sendo a representante oficial do RDIF no Brasil e firmou contrato com este Ministério da Saúde de venda de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V para o segundo trimestre de 2021”, afirmou Elcio no documento.

Leia Também:  RJ: Três homens são baleados após confronto com a polícia em São Gonçalo

No mesmo período, o governo brasileiro tentava adquirir 100 milhões de doses extras da Covaxin também por intermédio de uma empresa representante no Brasil.

Segundo integrantes da CPI, as vacinas com intermediários no Brasil tiveram tratamento totalmente diferente dos grandes laboratórios, como Pfizer, Janssen e Butantan.

A comissão se debruça sobre indícios de irregularidades nas negociações com a Precisa Medicamentos (que representa a Covaxin) e também na empresa Davati, que tentava vender 400 milhões de doses da AstraZeneca ao governo brasileiro.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

NACIONAL

Aos 116 anos, morre mulher mais velha do Brasil

Publicados

em


source
Mulher mais velha do Brasil, Antônia Santa Cruz
Reproducao: Facebook

Mulher mais velha do Brasil, Antônia Santa Cruz

Antônia Santa Cruz, considerada a mulher mais velha do Brasil, morreu neste domingo aos 116 anos e 217 dias. Ela também era a terceira mulher mais velha do mundo, segundo o grupo de pesquisa Gerontology Research Group (GRG).

De acordo com o portal Calila Notícias, a idosa faleceu em casa por causas naturais, após família relatar que ela reclamou de dores no corpo na noite de sábado (22).

A supercentenária estava acamada há um mês, sem nenhuma doença aparente. Ela foi velada na residência da família e o sepultada na tarde desta segunda-feira.

Na família de Dona Antônia, há mais centenários: uma das irmãs tem 107 anos, e o irmão caçula morreu há pouco mais de um ano, após completar 100 anos.

Leia Também:  TCE nega patente de empresa de SC e valida pregão milionário em MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA