NACIONAL

“Querem ser protagonistas em 2022”, diz Kalil sobre politização da vacina

Publicados

em


source
Kalil no Rodaviva
TV Cultura / Reprodução

Kalil no Rodaviva

No Roda Viva desta segunda-feira (30), o prefeito de BH, Alexandre Kalil (PSD), falou sobre o cabo de guerra protagonizado por políticos em torno das vacinas contra a Covid-19. Segundo ele, a briga que envolve a CoronaVac, vacina do Instituto Butantan feita em parceria com laboratório chinês, foi politizada por Doria e Bolsonaro.

“Quando um não quer, dois não brigam. Imagina se essa vacina dá certo, e chega para nós mais depressa. Acha que o governo federal vai ter peito de não comprar porque ela é chinesa? Isso é crime, é impeachment”, disse Kalil.

Segundo Kalil, o embate entre Doria e Bolsonaro em torno da vacinação é desejo de ser protagonista em 2020. 

“Eles querem ser protagonistas em 2022. Mas tem muita gente importante do lado de fora articulando […] Tem que entregar alguma coisa para a população para ser eleito”, complementou.

Leia Também:  Brasil registra maior número de mortes por Covid-19 no mundo em 24 horas

Sobre João Doria, Kalil diz ser completamente diferente, apesar de ambos terem sido eleitos como ‘outsiders’ da política. “Eu sou totalmente diferente. Nunca conversei com ele, nem com Covas”, disse o prefeito de BH, que evitou entrar em polêmicas sobre o tucano.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

NACIONAL

Amazonas amplia toque de recolher para 24 horas; entenda o que muda

Publicados

em


source
Estado do Amazonas enfrenta crise devido à pandemia
Alex Pazuello/Fotos Públicas

Estado do Amazonas enfrenta crise devido à pandemia

O governador do Amazonas , Wilson Lima , anunciou que as restrições impostas a deslocamentos nas cidades do estado serão ampliadas para 24 horas por dia a partir de segunda-feira (25). Em decreto a ser publicado ainda neste final de semana, o governo estipula que apenas uma pessoa de cada casa poderá sair às ruas, determinando poucas situações onde isso será liberado, como para a compra de alimentos ou por motivos médicos.

No caso dos estabelecimentos considerados essenciais , haverá mudanças no funcionamento: supermercados poderão funcionar das 6 às 19 horas, enquanto farmácias poderão ficar abertas 24 horas. Restaurantes, padarias e lanchonetes seguem apenas em esquema de entregas, das 6 da manhã às 22 horas. Feiras públicas podem operar das 4 às 8 horas.

Serão ainda adotadas mudanças no esquema de funcionamento das indústrias , agora com turnos de 12 horas — empresas responsáveis pela produção de insumos e itens essenciais estão liberadas dessa regra. No caso de aplicativos de transportes , eles só poderão levar passageiros que pertençam a algum dos grupos considerados essenciais.

Leia Também:  Polícia faz operação de resgate a policiais alvos de emboscada em Rondônia

Ao anunciar as medidas, o governador Wilson Lima disse que não se trata de um lockdown , e que não há motivo para uma corrida aos mercados neste final de semana.

Você viu?

“É preciso ter prudência, é preciso que as pessoas entendam a necessidade que temos de tomar essas medidas, que são medidas duras, mas necessárias para salvar a maior quantidade de vidas”, declarou na entrevista neste sábado.

UTIs lotadas

De acordo com os  números do consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, Extra, G1, UOL, Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo, o estado do Amazonas apresenta alta de 156% na média móvel de óbitos, em relação à semana anterior. Na sexta-feira, foram confirmados 3.975 casos e 132 mortes relacionadas à doença em um período de 24 horas.

Durante a entrevista coletiva, o secretário de Saúde, Marcellus Campelo, declarou que hospitais públicos e prontos socorros já operam acima da capacidade, e que a rede privada também está quase sem leitos disponíveis. Ao todo, 584 pessoas aguardam na fila para serem internadas, com diferentes níveis de gravidade.

Leia Também:  Marco Feliciano diz que Mourão é 'conspirador' e quer tomar lugar de Bolsonaro

Lima também reconheceu que o volume de oxigênio disponível ainda não é o ideal, e que a situação pode melhorar com as medidas de restrição e a eventual queda no número de infectados.

“A gente só vai conseguir essa disponibilidade (de oxigênio) se a gente diminuir a pressão sobre a rede, diminuir a quantidade de pessoas infectadas, procurando um hospital. Daí a necessidade de que cada um assuma seu papel”, declarou o governador.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA