PET

Cachorra abandonada em rio para morrer afogada ganha um novo lar

Publicados

em


source
Cachorra ganha nova chance após ser abandonada no rio para morrer afogada
Reprodução/RSPCA

Cachorra ganha nova chance após ser abandonada no rio para morrer afogada

Bella é uma cachorra da raça  pastor-alemão com 10 anos de idade e ganhou uma nova chance na vida. Ela está vivendo em um novo lar após ser encontrada à beira da morte em um rio com águas congelantes em Farndon, na Inglaterra. A cadela foi abandonada por seus antigos donos, que amarraram a coleira dela em uma pedra enorme no fundo do rio.

Segundo o site Bored Panda, as amigas Jane Harper e Joanne Bellamy estavam passeando com seus cachorros quando viram Bella lutando para sobreviver. Elas contam que a cadela se esforçava para ficar boiando com a cabeça para fora da água e, felizmente, conseguiriam resgatá-la.

A pastor-alemã foi levada diretamente para um veterinário local onde recebeu o tratamento necessário. Na clínica, também descobriram que ela sofre com diversos problemas de saúde. A cadela ficou aos cuidados da RSPCA, organização que combate os maus-tratos contra animais no Reino Unido, e após 15 meses ganhou um novo lar.

Bella foi adotada por um casal de aposentados que se comoveu com a história dela. “Sabemos que ela precisa de consultas regulares com o veterinário e vamos arcar com esses custos. Sabemos que ela está em seus últimos anos, mas só queremos oferecer uma casa amorosa, que é o que ela merece depois de tudo pelo que passou. Nós dois somos aposentados, então ela terá a nossa companhia constantemente. É disso que ela precisa e será ótimo para nós também”, diz Maggie Mellish, uma das novas donas da cachorra.

Fonte: IG PET

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

PET

Casal cria sanitário para pets com sistema de escoamento e fatura R$ 7,5 milhões

Publicados

em


source
Lara Lorga, Fabio Carvalho e as pets Pepa e Lili
Divulgação/Weasy

Lara Lorga, Fabio Carvalho e as pets Pepa e Lili

Foram os pelos molhados e as marcas de patas pelo piso do apartamento que levaram a publicitária Lara Lorga e o engenheiro mecânico Fábio de Carvalho, na época residentes em Niterói (RJ), a pensar em uma solução para o xixi de suas goldens retrievers Pepa e Lili. Sem opções de sanitários realmente práticos no mercado, decidiram recorrer ao “faça você mesmo” e criaram, em julho de 2015, uma bandeja de madeira revestida em lona plástica e com inclinação para que o líquido caísse diretamente no ralo. Nascia, assim, o protótipo do sanitário inteligente para cães, o produto é carro-chefe da empresa que faturou R$ 7,5 milhões só em 2020.  

Quando o casal se mudou para a capital paulista, em janeiro de 2016, o sanitário ganhou uma nova versão: a madeira deu lugar a uma chapa de alumínio, ganhou pés de Durepox e uma mangueira que direcionava o xixi ao interior do ralo. E foi em outubro do mesmo ano, durante a licença maternidade de Lara, e após testar a nova versão entre alguns amigos, que o casal decidiu apostar em um modelo comercial do produto. “Nossos amigos empreendedores falavam que precisávamos patentear essa ideia e comercializar. A gente nem lembrava que os cães faziam xixi em casa e queríamos proporcionar essa praticidade a outras pessoas. Foi quando, incentivados pelo meu pai, desenvolvemos o modelo em fibra de vidro. Ele tinha familiaridade com o material por usar em aeromodelismo”, conta Lara.  

A primeira estratégia de divulgação dos empresários foi criar um site gratuito. Como perceberam que as pessoas não entendiam a funcionalidade do produto, decidiram gravar um vídeo de suas pets usando o sanitário e subiram o conteúdo no Facebook. O vídeo viralizou, alcançou mais de três milhões de visualizações e os empresários chegaram a receber contatos de 21 países. “A demanda aumentou consideravelmente, mas nossa capacidade produtiva era baixa. Investimos apenas R$ 5 mil para criar dois moldes e 20 sanitários em uma fábrica terceirizada. A empresa conseguia fazer no máximo dez peças por semana. Quando nos demos conta, já tínhamos vendido 60 sanitários e isso significava um prazo de dois meses para a postagem”, relembra a empresária.   

O próximo passo veio em março de 2017, quando compraram uma pequena fábrica de fibra de vidro por R$ 15 mil, na cidade de São José do Rio Preto, interior de São Paulo: “Compramos os materiais, contratamos dois funcionários do antigo proprietário, alugamos um galpão e passamos a produzir em maior escala, cerca de 200 por mês”, comenta Fábio. “Como morávamos em São Paulo, meus pais, que moravam em São José do Rio Preto, embalavam as peças e postavam nos Correios”, completa.

Lara conta que a repercussão do produto aconteceu quinze dias antes do término de sua licença maternidade, em abril de 2017. Foi quando decidiu sair do emprego em uma multinacional e se dedicar integralmente ao negócio. “Eu cuidava da casa, do nosso filho Bento, orientava os clientes sobre o uso, fazia treinamentos, alimentava as redes sociais e organizava os pedidos. O Fábio chegava do trabalho à noite e juntos organizávamos a compra de matéria-prima e o envio dos pedidos para meus sogros”, conta Lara. Em setembro do mesmo ano mudaram-se para São José do Rio Preto.

Você viu?

Também em setembro de 2017 foi a vez de Fábio sair do emprego na área de planejamento de um grande grupo de vendas online para se dedicar integralmente à empresa. “Lá aprendi muito sobre e-commerce, performance digital e pude aplicar esse conhecimento no nosso negócio”, conta Fábio. Hoje as vendas da empresa são 95% feitas por marketplaces e plataforma própria, e nos planos estão investimentos em pontos de venda físicos. “Nosso desafio é um ponto de venda que possa mostrar o funcionamento do produto, para que o cliente possa ver como ele age de maneira eficiente e leva o xixi do cão e do gato direto para o ralo. Não existe outro produto no mercado que o dono não precise de uma limpeza ostensiva e diária para diminuir o odor”, comemora Lara.

Em novembro de 2017, nove meses depois da venda do primeiro produto, veio a mudança de matéria-prima, desenvolvimento de novos moldes e a empresa passou a produzir sanitários em polímero reciclado. “Adicionamos vários acessórios, então a margem de lucro era a mesma, mas conseguíamos entregar um produto com melhor acabamento, bem mais comercial”, conta. Para o funcionamento do atual modelo, a mangueira de saída deve ser posicionada em um ralo de esgoto, enquanto a outra deve ser rosqueada na torneira como uma entrada de água. Basta liberar a água para lavar a parte interna do produto e o banheiro seguirá limpo.

Leia Também:  Guia de raças: as principais características do maltês

A família cresceu e hoje, além de Lili e Pepa, os coelhos Lino e Lina e a gata Maria completam o time. Além do sanitário para cães nos modelos macho e fêmea e do sanitário para gatos, criado em 2018, a empresa também conta com o Sacocô Passeio – um saquinho feito de milho e mandioca para coleta e descarte responsável e higiênica das fezes animais, que se desfaz em seis meses e pode ser compostado; o Sacocô Casa – sacos feitos de película plástica 100% orgânica biodegradável que se dissolvem em 40 segundos na água do vaso sanitário; o Clean – um limpador multiúso em formato de sachê que se dissolve na água, feito com ativos naturais, tensoativos biodegradáveis e suave aroma natural de citrus para eliminar de odores; e o bebedouro inteligente Oasis, que, ligado à torneira e com boia de nível e filtro de cerâmica, garantem água limpa, fresca e sempre disponível para o pet. Completam a linha Kit Limpeza, arranhadores e brinquedos para os felinos, e os mordedores para cães. “Nosso DNA é criar produtos ecológicos com o menor índice de resíduos possíveis”, completa Fábio. 

Em quatro anos desde sua criação, a empresa não parou de prosperar. Em janeiro de 2020, aconteceu a mudança para a atual estrutura fabril, em um espaço de 1.300 m² em Bady Bassitt, cidade a cinco quilômetros de São José Rio Preto. Conta com 18 colaboradores e sua atual capacidade produtiva é de três mil sanitários ao mês. A pandemia e a consequente necessidade do isolamento social significaram para a empresa um aumento de 34% no faturamento. “É um momento triste que aproximou ainda mais os donos da rotina de seus pets. Em casa o dia inteiro, as pessoas passaram a se incomodar ainda mais com o cheiro de xixi. Foi quando perceberam o quanto um sanitário inteligente poderia facilitar o dia a dia e o relacionamento de quem tem animais de estimação”, opina Lara. “O nosso produto ajudou no bem-estar e a aproveitar a parte boa da companhia e alegria que os bichinhos trazem”, comemora Lara.

Futuro

Para 2021, Lara e Fábio planejam outros lançamentos, incluindo um banheiro inteligente automatizado. “Deixamos bons empregos e todos os benefícios que nossos trabalhos em multinacionais nos proporcionavam para apostarmos em nosso sonho de empreender com o propósito de trabalhar em algo que faça o mundo melhor. A história da Weasy está apenas no início”, finaliza.

Fonte: IG PET

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA