POLÍCIA FEDERAL

Polícia Federal vence disputa e assume a Vice-Presidência da INTERPOL

Publicados

em


Istanbul/Turquia – A Delegação Brasileira à 89ª Assembleia Geral da INTERPOL sagrou-se vitoriosa nas eleições ao cargo de Vice-Presidente das Américas para o Comitê Executivo da Organização Internacional de Polícia Criminal – INTERPOL.

172 delegações foram credenciadas dentre os 195 países membros da Organização, além de diversos organismos internacionais. Foi a maior Assembleia Geral da história, em termos de número de países credenciados para participar.

Nesta quinta-feira (25/11), os países membros se reuniram para eleger seus representantes executivos para os próximos três anos. Com 55,8% dos votos, o Delegado de Polícia Federal Valdecy Urquiza foi eleito para a posição de Vice-Presidente, derrotando o candidato colombiano, General Jorge Luis Vargas Valencia, Diretor-Geral da Polícia Nacional da Colômbia.

Foi a primeira vez que o Brasil conquistou o cargo de Vice-Presidente para as Américas, refletindo também o importante papel da diplomacia brasileira na construção dos apoios internacionais. Em seu discurso, o candidato brasileiro destacou a importância de uma INTERPOL mais democrática, transparente e eficiente.

A Delegação Brasileira, liderada pelo Diretor-Geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, e integrada por policiais federais e diplomatas brasileiros, atuou em sucessivos encontros bilaterais em busca da construção de alianças em torno da candidatura brasileira. Para Paulo Maiurino, “a Polícia Federal estará bem posicionada, participando e influenciando em discussões estratégicas e relevantes à segurança global e ao efetivo combate aos crimes transnacionais.

Leia Também:  PF prende mulher com cocaína no estômago e em bagagem no Galeão/RJ

O resultado vitorioso nas eleições foi fruto de um trabalho iniciado meses atrás, que envolveu um amplo esforço de articulação internacional. “A atuação do Ministério de Relações Exteriores nesse processo foi vital. Os diplomatas brasileiros atuaram de forma profissional e eficiente, conseguindo transmitir ao mundo a visão da Polícia Federal sobre o futuro da INTERPOL e angariando apoios estratégicos em torno da candidatura brasileira”, acrescentou Paulo Maiurino.

Coordenação-Geral de Comunicação Social

(61) 2024-8142

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

PF apura possível desvio de cota parlamentar no Amapá

Publicados

em


Macapá/AP – A Polícia Federal deflagrou na manhã deste sábado (26/11) a Operação En Passant*, para cumprimento de 15 mandados de busca e apreensão, em investigação que apura desvio de cota parlamentar de deputado da Assembleia Legislativa do Amapá – ALAP.

Cerca de 40 policiais federais cumpriram as medidas cautelares expedidas pelo Tribunal de Justiça do Amapá – TJAP, e resultaram na ação que ocorre no município de Macapá, em residências e empresas dos investigados.

A Investigação é um desdobramento da Operação Terça Parte, deflagrada em 14/05/2021, que apurava suposto esquema criminoso comandado por um deputado estadual, envolvido em indícios de prática de crimes de corrupção eleitoral, peculato, falsidade ideológica, lavagem de capitais e organização criminosa, por meio da nomeação de funcionários fantasmas e retenção de parte da remuneração de assessores (rachadinha).

Com a avanço das investigações, a PF identificou indícios de um esquema de desvio de valores, que ocorrem pelo menos desde 2019, por parte do deputado, que deveriam custear despesas típicas do exercício do mandado parlamentar (CEAP).

Leia Também:  Enquanto disputa canção de DJ Ivis, Gutto Soares posta reflexão em rede social

No esquema criminoso, o parlamentar solicitava o ressarcimento desta verba, em proveito próprio, de gastos inexistentes e contava com a participação de diversas pessoas físicas e empresas que emitiam notas fiscais frias em troca de parte do valor.

Apurou-se ainda, que um dos principais articuladores para funcionamento do esquema, seria uma funcionária do gabinete do parlamentar, que já havia sido afastada judicialmente pelo TRE/AP, na deflagração da Operação Terça Parte, por indícios de participação na rachadinha. Uma das empresas que emitiam as notas fiscais ideologicamente falsas, em troca de comissão, era do marido dela.

Os investigados utilizavam empresas de locação de veículo e embarcação, escritório de contabilidade e advocacia e serviço de comunicação social (mídia), com a emissão das notas frias, para justificar os gastos inexistentes.

A PF estima que pelo menos R$ 360 mil por ano foram desviados com as ações (R$ 30 mil por mês), totalizando o valor aproximado de R$ 1 milhão, tendo em vista os indícios de que a fraude ocorre desde o ano de 2019.

Leia Também:  Polícia Federal cumpre mandados para investigar disseminação de pornografia infantil

O TJAP impôs ainda, o afastamento do deputado do mandato. Inicialmente, os envolvidos podem responder pelos crimes de associação criminosa, peculato, falsidade ideológica e duplicata simulada. As penas somadas podem chegar a 22 anos de reclusão e pagamento de multa.

En Passant*: En Passant é uma jogada do xadrez na qual uma peça tira proveito de um avanço inesperado do fluxo da peça adversária, enganando o movimento natural dela e capturando-a. No caso da investigação, o principal investigado engana o fluxo financeiro da cota parlamentar, mediante emissão de notas fiscais frias, desviando os recursos em proveito próprio e alheio.

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá
[email protected]
(96) 3213.7500

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA