POLÍTICA MT

EP defende união de políticos por vocação para eleições

Publicados

em

 

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), defendeu que um grupo de políticos “vocacionados” se una para a defesa de um “novo modelo” de gestão em Mato Grosso.

Sem citar uma oposição direta à gestão do governador Mauro Mendes (DEM), de quem é antagonista político, o prefeito defendeu que esse grupo de vocacionados solucionará problemas como a distribuição irregular de renda no estado.

A fala do prefeito, feita após o gestor tomar a terceira dose da vacina contra a covid-19, traz como políticos vocacionados aptos a realizarem a “nova gestão” nomes como o de Júlio Campos (DEM), Carlos Bezerra (MDB), Zé do Pátio (SD), Nilson Leitão (PSDB), Emanuelzinho (PTB) e o próprio Emanuel.

“Mas eu defendo a união dessas forças política para discutir um novo projeto, um projeto alternativo para o Estado, não contra ninguém, mas a favor do Mato Grosso e a favor do desenvolvimento econômico e social do nosso estado, um novo modelo de gestão, aonde possamos promover a inclusão e a justiça social”, disse.

“Sem essa concentração exorbitante de riquezas e de renda, onde o estado mais rico do Brasil produz é o estado que tem aí uma dos mais podemos até exemplificaria mas o estado rico e um povo pobre”, acrescentou.

Leia Também:  ALMT suspende expediente no período vespertino por causa do calor

Em sua fala, Emanuel defendeu ainda a continuidade dos políticos que “têm história” contra aqueles que supostamente se apresentam à vida pública como “salvadores da pátria”.

“E eu acho que só a classe política que tem história nesse estado do que tem serviços prestados nesse estado se unindo é que podemos construir um projeto alternativo. E eu hoje quero me dedicar a isso. Estou me dedicando a isso”, ponderou.

Nesse sentido, o prefeito frisou que não defende um nome específico para liderar esse projeto, mas, sim, nomes que estejam dispostos a somar para a realização do novo modelo.

Fonte: Folha Max

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA MT

Acusado de receber mensalinho, ex-deputado de MT some e é intimado por edital

Publicados

em

 

Depois de passar uma temporada “sumido” dos radares do Poder Judiciário e virar réu numa ação por improbidade em decorrência do recebimento de mensalinho na Assembleia Legislativa, o ex-deputado estadual José Joaquim de Souza Filho (DEM), o Baiano Filho, se manifestou nos autos e pediu que fosse anulada sua citação por edital. O juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ações Coletivas, negou o pedido e ressaltou que tal medida foi adotada porque ele não foi localizado nos endereços constantes nos autos.

A ação de improbidade também já recebeu decisão liminar para bloqueio de R$ 1,2 milhão nas contas dos réus. Além de Baiano Filho, a denúncia também foi recebida contra o ex-governador Silval Barbosa, seu ex-aliado e ex-chefe de gabinete, Silvio Cézar Corrêa Araújo, e contra os ex-secretários de Estado, Maurício Souza Guimarães (Secopa) e Pedro Jamil Nadaf (Casa Civil). Em relação ao ex-secretário e delator premiado, Valdísio Juliano Viriato, foi homologado um termo de Acordo de Não Persecução Cível” firmado entre o Ministério Público Estadual e Viriato.

Baiano Filho foi um dos deputados gravados por Silvio Corrêa enquanto recebia mensalinho pago pelo então governador Silval Barbosa em meados de 2013 em troca de “governabilidade” no Legislativo Estadual, para aprovação de projetos de interesse do Governo do Estado e aprovação de suas contas de governo e gestão. O mensalinho tinha ainda como objetivo, conforme relatado pelo ex-governador em sua delação premiada, fazer com que os deputados não prejudicassem o andamento de obras de infraestrutura e da Copa de 2014 repletas de irregularidades e até pagamento de propina.

Leia Também:  Câmara rejeita Lei e impede isenção de taxa de lixo para 35 mil carentes em Cuiabá

Depois que o Ministério Público ofereceu a denúncia, a Justiça não conseguiu notificar Baiano Filho para apresentação de defesa prévia. “Compulsando os  autos, constata­se que foram realizadas inúmeras diligências, e em diversos endereços, com a finalidade de notificar o requerido Jose Joaquim de Souza Filho, porém, todas foram infrutíferas. Ademais, o autor comprovou que empreendeu esforços para localização do requerido, bem como este Juízo  promoveu buscas junto aos sistemas judiciais disponíveis, o que também não foi suficiente”, esclareceu o juiz Bruno Marques.

“Ante as circunstâncias demonstradas nos autos e, presentes os requisitos legais, a decisão de acolheu requerimento do autor e determinou a notificação por edital do requerido. Importante anotar que, no endereço que o próprio requerido informou – no ano de 2018, no curso do inquérito civil, também foi tentada sua notificação, o que foi inexitoso”, escreveu o magistrado em outro trecho da decisão publicada no Diário Eletrônico da Justiça.

A defesa de Baiano Filho apresentou petição para que fosse reconhecida a nulidade de sua notificação por edital.  Informou que o mandato de deputado estadual se encerrou em 31 de janeiro de 2019 e desde então, ele mudou de Cuiabá para o município de Confresa onde  reside até hoje. Foi então que o magistrado aproveitou para “dar uma bronca” no defensor do ex-deputado.

Leia Também:  Pagamento de multas por fraudes em "cirurgias fantasmas" vão para o Estado

“Ou seja, mesmo ciente do inquérito civil desde 2018, tendo manifestando-­se em tal procedimento investigativo por advogado constituído, o requerido mudou­-se de endereço desde 31.01.2019, sem ter comunicado, o que contribuiu para a dificuldade de sua localização, mesmo após inúmeras diligências e pesquisas. Assim sendo, não vislumbro motivos que justifiquem a nulidade da notificação por edital do requerido José Joaquim de Souza Filho, pois a situação dos autos  autorizava tal providência, razão pela qual indefiro o pedido”, despachou Bruno Marques.

O magistrado esclareceu que a procuração juntada ao processo dá ao advogado do réu poderes especiais para receber citação e intimou a defesa para que apresente contestação à denúncia no prazo de 30 dias. Depois que os demais réus se manifestarem no prazo, será a vez do Ministério Público ser notificado, também com prazo de 30 dias para impugnar as alegações das defesas.

Após não disputar a eleição de 2018, Baiano Filho tem se articulado para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Fonte: Folha Max

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA