Desespero de Emanuel Pinheiro

Gisela nega ter combinado cargo na Prefeitura de Cuiabá com Abilio, caso seja eleito

Publicados

em

Reprodução

Ao anunciar seu apoio ao candidato à Prefeitura de Cuiabá, Abilio Júnior (Podemos), a ex-superintendente do Procon, Gisela Simona (Pros) – que ficou em terceiro lugar no primeiro turno – negou que conversou com Abilio sobre algum cargo no Palácio Alencastro, caso ele seja eleito.

Segundo ela, o seu apoio ao vereador é por acreditar na mudança de Cuiabá e entender melhor as propostas dele. No entanto, ela não descartou a possibilidade.

“Não conversamos sobre cargo. Ele não me ofereceu nenhuma vaga na prefeitura. No momento, estou gozando das minhas férias no Procon e tirei esse tempo para fazer campanha, apoio ao Abilio. Eu ainda não pensei sobre isso”, disse.

Outro ponto questionado a Gisela foi sobre a sua análise ao estudar os candidatos para apoiar. Ela admitiu que teve muitas dúvidas em qual posição tomar, mas que nunca ficou indecisa em declarar apoio alguém.

“Tive muitas dúvidas de qual seria minha posição sim, um grande eleitorado disse: ‘Gisela não se mete nessa briga, fica neutra’. Mas, exatamente a minha fala do início, sem hipocrisia, mesmo não sendo o cenário que não queríamos nesse segundo turno, nós queríamos estar aqui. Mas temos que passar em cima da vaidade e não tem como eu ficar neutra em um momento tão importante para Cuiabá, eu tinha que escolher um lado, uma posição”, ressaltou.

Leia Também:  Conselheiro e deputado são acusados de nepotismo cruzado

Gisela comentou que muitas pessoas, inclusive eleitores, chegaram a dizer para ela ficar “neutra” e não se meter na “briga”. Porém, ela disse que esse não é seu perfil, de deixar de lado Cuiabá em um momento importante, sendo que ela recebeu 20% de votos dos cuiabanos.

“Seria o caminho mais fácil, pensando na minha única pessoa. Seria um bom momento pra eu ficar isenta, ficar neutra, ir pra casa, cuidar da minha vida, voltar para o Procon e depois eu apareço novamente. Não é essa Gisela que vocês conhecem, não é essa Gisela que eu sou. Com 20% dos votos, eu me sinto na responsabilidade política de ter lado, de ter posição”, disparou.

Fonte: Unicanews

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA MT

Comissão de Meio Ambiente irá ao Pantanal definir ações após queimadas

Publicados

em

 

Foto: Ronaldo Mazza

A reunião remota da Comissão Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Recursos Minerais da Assembleia Legislativa desta segunda-feira (30) contou com as participações da secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, do tenente coronel do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, Dércio Santos da Silva e do presidente da empresa Energisa de Mato Grosso, Riberto José Barbanera, quando fizeram um balanço sobre as queimadas no Estado e, principalmente, apontaram os problemas ocorridos no Pantanal e as constantes quedas de energia registradas na área.

Na próxima quinta-feira (3), a Comissão inicia uma série de visitas ao Pantanal, com a presença do presidente da Energisa e representantes do governo do estado, buscando alternativas para reposição de cabos elétricos, assim como as bitolas nos postes de iluminação danificados durante os incêndios.

“Temos que recuperar todos os danos causados pelas queimadas na parte elétrica e a empresa tem esse compromisso com a população pantaneira”, garantiu Barbanera.

Após as explicações iniciais, ficou decidido que no dia 7 de dezembro, Mauren Lazzaretti participará novamente da reunião da Comissão, vai apresentar a minuta completa de revisão do Pantanal, elaborada a pedido da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) aos deputados para buscar propostas de recuperação das áreas queimadas.

Leia Também:  Gallo apresenta cenário econômico e Botelho defende linhas de crédito para pequenos empreendedores

“Entendo que vamos ter uma resposta dos trabalhos que foram entregues pela Embrapa Pantanal à Sema, sobre a possibilidade de limpeza de pasto e outros avanços na vegetação, para que a gente possa evitar os incêndios futuros dessa proporção”, revelou o presidente da Comissão, deputado Carlos Avallone (PSDB).

“Um grupo de trabalho finalizou uma minuta preliminar desse relatório na última sexta-feira para que possamos apresentar à Comissão. Nele constam exclusivamente propostas para recuperar a área queimada. Vamos fazer uma análise jurídica com a procuradoria para apresentar propostas de melhorar a fauna e a flora do local”, explicou Mauren Lazzaretti.

Dados do Prevfogo, o Centro Nacional de Prevenção e Combate aos incêndios florestais do Ibama, mostram que, em 2020, a área queimada no Pantanal já passa de 2,3 milhões de hectares, sendo 1,7 milhão em Mato Grosso e  1,1 milhão em Mato Grosso do Sul. Esse número corresponde a 18,66% do Pantanal que, segundo o IBGE, ocupa 15.169.200 hectares — ou seja, 1,78% do território nacional.

“Temos que começar a preparar as ações para o próximo ano para evitarmos o desastre que aconteceu em 2020. No primeiro momento, em cima dos estudos feitos pela Embrapa Pantanal a Sema apresentou uma proposta que vai autorizar a limpeza de pasto eliminando as plantas invasoras. É o primeiro passo para avançarmos na recuperação”, apontou Avallone.

Leia Também:  Xuxu Dal Molin propõe retorno gradativo das aulas em Mato Grosso

Outra proposta do presidente da Comissão é a instalação de duas torres de comunicação no local, possibilitando a conversação entre os moradores. “Temos que começar a preparar as ações para o próximo ano para evitarmos o desastre que aconteceu nesta temporada, onde tivemos seca, ventanias e queimadas”, disse o deputado.

Avallone destaca que o bioma enfrentou sua fase mais crítica das últimas décadas. Segundo um levantamento do Estado, feito a partir de dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Pantanal queimou entre janeiro e agosto de 2020 o equivalente ao total queimado nos seis anos anteriores, entre 2014 e 2019.

“O Pantanal queima mais do que os outros biomas, em muitas vezes, o fogo é apagado e feito rescaldo da parte superficial, mas lá embaixo ainda tem muito calor. E um tempo depois, nesse período da seca, o fogo pode reacender. Isso é um agravante em comparação a outros biomas”, lembra o deputado.

Conforme documento elaborado pela Sema, a região queimada completa é maior do que a área do estado do Sergipe, por exemplo, que tem 2.191.000 hectares. A área danificada do Pantanal também é maior do que os 2.776.800 hectares que demarcam o estado do Alagoas.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA