POLÍTICA MT

Politec de Água Boa enfrenta dificuldades para execução dos trabalhos

Publicados

em

 

Deputado Delegado Claudinei conheceu as estruturas da Politec em Água Boa

Foto: SAMANTHA DOS ANJOS FARIAS

O deputado estadual Delegado Claudinei (PSL) conheceu as estruturas da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), na última terça-feira (27), em Água Boa (MT), apresentadas pelo gerente regional e perito criminal Paulo Barbosa. Neste encontro, foram apontadas as principais necessidades dentro da instituição para serem avaliadas pela Comissão de Segurança Pública e Comunitária da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

A unidade atende dez municípios da região do Vale do Araguaia e conta com 12 profissionais efetivos e um contratado. “Um dos nossos efetivos vai se aposentar. Não temos papiloscopista aqui, sendo que a parte de identificação é feita pelo convênio com a prefeitura. Em muitos casos, quando não tem jeito, temos que solicitar um profissional que vem de outro município. Temos um técnico de necropsia e sete peritos criminais. Nunca conseguimos fechar a escala de médico, por falta de servidor”, explica Barbosa.

A estrutura física não possui espaços adequados, comenta o gerente regional, que exemplifica o caso dos exames de balísticas que são realizados na parte externa da unidade. “O nosso laboratório é adaptado. As necrópsias são feitas no Hospital Regional, não tem como fazer aqui. É muito complicado. Não temos unidade do IML (Instituto Médico Legal)”, completa.

Leia Também:  O que há por trás da PEC do Pacto Federativo?

Em relação ao translado de cadáveres, Paulo explica que fica por conta da funerária, que leva para o Hospital Regional devido a unidade não ter o veículo rabecão. “O custo fica por conta da família. A gente faz o que é possível fazer. Quando a família não tem dinheiro, ela tem que procurar a ação social do município. É uma situação sempre emergencial, não tem como esperar”, esclarece.

De acordo com o gerente regional, a instituição é carente de equipamentos, aparelhos para laboratório, drone para perícia ambiental, sendo que todos os profissionais são capacitados para atender todos os tipos de perícias. Ele também alega que os servidores almejam ter um espaço apropriado para atender os trabalhos com excelência para a população e que já elaboraram projetos que apenas precisam de recursos financeiros para serem executados.

“Este é o nono polo regional da Risp (Região Integrada de Segurança Pública) que a comissão está atendendo. Avalio que todas as Politec estão carentes de atenção do governo estadual. Avaliamos que a situação está crítica quanto os aspectos de estrutura física, de equipamentos e, principalmente, de falta de efetivo. Espero que com estes levantamentos, possamos sensibilizar o Estado para encontrarmos uma solução para essa instituição”, posiciona Claudinei que é presidente da Comissão de Segurança Pública e Comunitária.

Leia Também:  Assembleia Social faz repasse de roupas e calçados à comunidade do Silvanópolis, periferia de Cuiabá

O parlamentar adianta que vai verificar a inserção de emenda na Lei Orçamentária Anual (LOA), no próximo ano, para contribuir com a situação da Politec. Mas ele avalia que é sempre importante as instituições de segurança pública também recorrerem, com o apoio de Conselhos Comunitários de Segurança, Ministério Público Estadual e Poder Judiciário, para verificar a possibilidade de obter recursos por meio de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

O perito criminal Alexandre Mosquetta também acompanhou a visita do parlamentar. A gerência de Água Boa pertence à Coordenadoria da Politec de Barra do Garças, atendendo também os municípios de Nova Xavantina, Campinápolis, Cocalinho, Canarana, Querência, Ribeirão Cascalheira, Serra Nova, Serra Dourada e Novo Paraíso.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA MT

Juiz manda retirar clipe que sugere ‘sequestro’ de Emanuel

Publicados

em

João Vieira

O juiz Geraldo Fidelis, da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, determinou a retirada imediata do clipe da música “O Rio”, do músico Billy Espíndola, que mostra o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), sendo amarrado e sequestrado, deixado para morrer em um floresta. A multa diária, caso o cantor e o Google Brasil Internet Ltda, será de R$ 5 mil.

“Ante o exposto, julgo parcialmente procedente o pedido deduzido na Representação, para manter a remoção das imagens veiculadas no vídeo em questão, bem como, suspender a disseminação do referido vídeo nas redes sociais e em qualquer outro meio de divulgação de propaganda eleitoral, sob pena de multa diária que fixo em R$ 5.000,00 e demais consequências legais”, diz trecho da decisão proferida na última quinta-feira (19).

De acordo com o magistrado, a letra da música, apesar da crítica ácida, “não transborda aos limites da crítica e situa-se no campo das liberdades pessoais, dentre elas, a consagrada liberdade de expressão”.

Para Fidelis, suspender o clipe por conta da música, seria uma forma de censura. Porém, para o juiz, as imagens do clipe, possui “incitação ao ódio e a violência”. “Não é razoável a sugestão realizada de sequestro do representante, acompanhada de amordaçamento e tortura”, diz o magistrado.

Leia Também:  Assembleia Social faz repasse de roupas e calçados à comunidade do Silvanópolis, periferia de Cuiabá

Primeira polêmica

Além do clipe retirado do ar, o cantor Billy Espíndola já havia lançado “Cuiabá no paletó”, em 08 de abril de 2019, outra canção de autoria própria com direito a participação da personagem Almerinda.

Fonte: Gazeta Digital

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA