VÁRZEA GRANDE MT

Saúde de Várzea Grande faz o alerta para eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti

Publicados

em


Apesar do alívio que o início do período chuvoso trouxe, é preciso se atentar a um problema intensificado pela nova fase meteorológica: o aumento dos casos de dengue Zika Vírus e Chicungunya. Com previsão de mais precipitações de chuvas previstas para este mês e dezembro, a Secretaria Municipal de Saúde de Várzea Grande estima crescimento dos registros da doença, que tem caráter sazonal. A prevenção é a eliminação de criadouros nas casas.

“Em tempo de chuvas os cuidados devem ser redobrados, com atenção especial a possíveis depósitos de água em pneus, garrafas e outros recipientes capazes de se tornar focos de proliferação para o mosquito Aedes aegypti. Aquela simples tampinha de garrafa pet, esquecida no quintal de casa por alguns dias recebendo sol e chuva, pode se transformar em um criadouro de mosquitos Aedes aegypti – transmissores da Dengue, Zika, Chicungunya“, alertou a Superintendente de Vigilância em Saúde Relva Cristina de Moura.

Segundo dados da Vigilância Epidemiológica de Várzea Grande, as residências habitadas são responsáveis por 80% dos criadouros dos mosquitos, adaptados para a colocação dos ovos em qualquer recipiente que possa acumular água, até mesmo nos secos. “A condição é um alerta para que a população não descuide dos quintais e áreas especialmente com a chegada das chuvas e altas temperaturas”, afirmou à superintendente.

Leia Também:  MPE aciona presidente da Câmara de VG por usar servidores na campanha eleitoral

Segundo ainda os dados da Vigilância Epidemiológica de 1º de janeiro ao dia 11 de novembro deste ano, Várzea Grande notificou 255 casos de Dengue, 18 notificações de Chicungunya e 9 de Zika Vírus.

“A tendência é aumentar se a população não se engajar na eliminação dos criadouros em suas casas. Temos intensificado as ações das visitações de casa em casa, pelos agentes comunitários de saúde e endemias, para as orientações e aplicação in loco de produtos químicos, específicos para eliminação de criadouros. Outra situação a ser observada é a de que não são apenas nos grandes recipientes que os mosquitos colocam os ovos. As tampas, lonas, pedaços plásticos – inclusive embalagens, além das garrafas, pneus e os pratos de plantas, que acumulam água, devem ser eliminados da residência, pois servem de criadouro. Com as chuvas e a temperatura em elevação, o ciclo para eclodir os ovos é reduzido e de 7 a 11 dias novos mosquitos estarão voando e podendo transmitir as doenças na nossa população”, alerta relva.

Para evitar os riscos, a Vigilância Epidemiológica,  orienta a população da cidade , a verificação sistemática dos espaços externos e internos da residência, do local de trabalho, para o descarte de qualquer material inservível que possa acumular água, limpeza com água, bucha e sabão dos bebedouros dos animais, além da verificação dos ralos, calhas e caixas d´água para evitar que estejam abertas ou entupidas. No caso dos ralos, o uso de telas também colabora para evitar o acesso dos animais peçonhentos, por exemplo, escorpiões, cobras, para o interior do imóvel, que também surgem com as chuvas frequentes.

Leia Também:  Primeira-dama visita Casa de Acolhimento Provisório e promete ser defensora de projetos e ações sociais

Sobre a Doença: A transmissão da dengue acontece através da picada da fêmea do mosquito Aedes Aegypti, que provoca sintomas como dor nas articulações, no corpo, na cabeça, náuseas, febre acima de 39ºC e manchas vermelhas no corpo.

As picadas pelo mosquito da dengue acontecem geralmente nas primeiras horas da manhã ou no final da tarde, especialmente na região das pernas, tornozelos ou pés. Além disso, a sua picada é mais comum durante o verão, sendo por isso recomendado usar repelentes no corpo e inseticidas na casa, para proteção.

A prevenção da dengue pode ser feita com práticas simples que evitam, principalmente, a reprodução do mosquito transmissor, através da eliminação de objetos que acumulem água parada como pneus, garrafas e plantas, nas casas.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

VÁRZEA GRANDE MT

Várzea Grande está entre as cidades da região Metropolitana com menor número de focos de calor em 2021

Publicados

em


Várzea Grande encerrou o ano de 2021 entre os três municípios, sob atuação do Comando Regional 1 do 2º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, a registrar o menor número de focos de incêndios urbanos. Conforme balanço apresentado pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEMMADRS) e a corporação, os registros passaram de 48 em 2020 para 33 no ano passado, queda anual de 31,25%.

Em 2021, ainda antes do início da temporada de estiagem – que é crítica entre julho e setembro no Estado – a prefeitura e o Corpo de Bombeiros revalidaram a parceria, por meio do projeto de Prevenção e Combate à Incêndios em terrenos urbanos, o PrevQueimadas. “Diante dos resultados satisfatórios já contabilizados em 2020, renovamos a dobradinha de atuação e vamos seguir juntos no combate aos incêndios urbanos. Não temos dúvidas de que o projeto contribuiu para a melhoria da qualidade do ar e segurança à população e ao patrimônio público e privado, nesse período crítico, na medida em que reduziu o tempo resposta, no combate aos pequenos focos de incêndio, na área urbana”, frisou o prefeito Kalil Baracat, que reassumiu o Executivo hoje (24), após duas semanas.

Leia Também:  Secretaria da Saúde alerta que baixas temperaturas reforçam necessidade da vacinação contra a gripe

Segundo o balanço, 52% das ocorrências de incêndios em vegetação – durante o período proibitivo – em Várzea Grande, foram realizadas por meio de viaturas e brigadistas do PrevQueimadas. Ainda conforme o 2ª Batalhão, “com o incremento dos recursos do Projeto, o número de ocorrências de incêndios em vegetação, em Várzea Grande, aumentou em 26% na comparação entre os resultados de 2020 e 2021”.

O titular da SEMMADRS, Célio Santos, aponta que nunca é demais lembrar que todo grande incêndio começa com um pequeno foco de calor. “A prefeitura disponibilizou duas caminhonetes equipadas com reservatório de água e um caminhão pipa, com motorista e combustível, insumos decisivos para a obtenção desses resultados. Em 2022 estaremos juntos novamente”.

Santos frisa ainda que embora a Prefeitura Municipal de Várzea Grande esteja atuando ao longo do ano com grande rigor na fiscalização dos terrenos urbanos, como forma de impedir o acúmulo de lixo e, consequentemente, “de combustível para as queimadas”, a ação integrada faz toda a diferença na hora de combater os incêndios. “O tempo de resposta é menor e a atuação é impetrada por especialistas, que são os militares do Corpo de Bombeiros, com suporte do Município”.

Leia Também:  Primeira-dama visita Casa de Acolhimento Provisório e promete ser defensora de projetos e ações sociais

Acorizal e Jangada lideram as baixas sobre o número de focos de calor com dois e oitos apontamentos, respectivamente. O Comando atua nos 11 municípios que forma a região Metropolitana de Cuiabá.

‘VG SEGURA’ – As parcerias entre a Prefeitura Municipal de Várzea Grande e o Corpo de Bombeiros não se restringem ao combate às queimadas. No programa ‘VG Segura’, os bombeiros formam brigadistas contra incêndios e primeiros socorros em órgãos públicos e grandes empresas. No âmbito municipal 200 servidores passaram pela capacitação. Atualmente, em cada escola ou creche, há um profissional formado pelo programa.

O 2º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar, em Várzea Grande, é referência em busca e resgate com cães, tendo parte de canil atuado na tragédia de Brumadinho (MG), quando os cães ficaram cerca de 100 dias em atuação.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA